Acne rosácea: entenda o que é

0
118

Acne rosácea: entenda o que é 

Acne rosácea é uma doença vascular inflamatória crônica, com períodos de melhoras e pioras alternados. Ocorre principalmente em adultos entre 30 e 50 anos de idade. É mais frequente em mulheres, porém atinge muitos homens e, neles, o quadro tende a ser mais grave, evoluindo continuamente para o rinofima, aumento gradual do nariz por espessamento e dilatação de folículos. A origem da rosácea  é desconhecida.

Sintomas da acne rosácea

A doença é caracterizada por uma vermelhidão (eritema) que tende a ficar permanente e surgem vasos finos (telangiectasias), pápulas e pústulas que lembram a acne, podendo ocorrer edemas e nódulos. Alterações oculares ocorrem em 50% dos casos, com manifestação de irritação, ressecamento, blefarite, conjuntivite e ceratite. 

Pode haver espessamento irregular da pele do nariz e dilatação folicular, levando ao aumento e deformação do nariz (rinofima) . Esses espessamentos também podem ocorrer em outras áreas, como na região frontal e nas maçãs do rosto. 

Tratamentos para acne rosácea

Não há cura para a rosácea. No entanto, com o tratamento adequado, a maioria das pessoas consegue controlar os sintomas.

O tratamento se inicia com sabonetes adequados e protetores solares.O objetivo principal é diminuir a inflamação do paciente. Em alguns casos, é necessário o uso de antibióticos. 

O laser ou e  luz pulsada são excelentes para tratamento das telangiectasias. A luz do laser atinge os vasos, promove sua destruição e clareia a região. 

A correção cirúrgica da rosácea é indicada nos casos de fimatosa. Para tratar a rosácea ocular, muitas vezes é necessária abordagem específica, como o uso de colírios locais (com antibióticos) e também imunossupressores, como a ciclosporina.

Prevenção da acne rosácea

Todos os agravantes ou desencadeantes devem ser afastados para prevenção da acne rosácea, como bebidas alcoólicas, exposição solar, vento, frio, ingestão de alimentos quentes e uso de corticosteróides.  

A doença é benigna, porém crônica, com surtos e reaparecimento dos sinais. Para se proteger dos seus efeitos, a proteção solar diária é fundamental e a visita periódica ao dermatologista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here